sábado, 12 de janeiro de 2013

Felt 1988-04-31

A minha irmã que estava em Lisboa comprou-me o bilhete para esta ocasião. Os Felt, que estavam prestes a chegar ao fim, mesmo que poucos acreditassem na palavra de Lawrence, 10 anos e 10 discos seria a meta para uma década. E nesta data os Felt vinham a Portugal, pela primeira e única vez. Era imperativo, era quase impossível imaginar que iria ser verdade. Principalmente numa época em que os falsos boatos eram o prato do dia nos poucos jornais e revistas da especialidade que circulavam. Mas era verdade e melhor ainda, os Pop Dell'Arte faziam a primeira parte, ainda na ressaca do seu memorável concerto na mesma sala no mês anterior. A excitação era tremenda e ainda mais ficou quando cheguei à sala, repleta, e constatei que o meu lugar era nas Doutorais, primeira fila praticamente em frente ao Lawrence. Nem sabia onde meter as mãos. Estava sozinho e não conhecia ninguém nas proximidades. Os Pop Dell'Arte abrem a noite e a força das palavras, a estranheza das canções, a vitalidade da banda e a magia do João Peste enchiam-me os sentidos. Balançava por dentro mas não me conseguia mexer.
O intervalo veio e a ansiedade aumentava, os Felt eram há muito uma referência musical que me hipnotizava em todo o seu contexto, musical e estético. Confesso que o chapéu que tinha e que tanto gosto e que tanto usei foi comprado por direta influência do Lawrence. As coisas que fazemos por amor :-)
As luzes apagaram-se e entraram umas sombras em palco e de repente vinda do nada "The Old Man is Down the Road" quebra o silêncio e o gelo. Cinco músicos estavam em palco a postura era descontraida e desconcertante, parecia que não havia ninguém na sala ou nada que pudesse parar aquele comboio. Nada os demovia de debitar as suas emotivas canções mas desprovidas de qualquer emoção visual. Este contraste deixou-me louco, então era isto, tentar levar a musica para fora da personagem, ao vivo em frente de publico devoto mas que começava a estranhar a postura porque estavam à espera de "miminhos" vindos do palco. Pois se assim era, não conheciam o que tinham pela frente e iriam sair dali defraudados. Tal sucedeu com a critica escrita que arrasou o concerto. A prova é o texto do blitz que incluo neste post.
Para mim a magia foi total, o concerto, curto e grosso, deixou-me deliciado e a querer fazer música e ter uma banda...mal sabia! Saí dali com a alma em chamas e a cantar o "Primitive Painters".
Anos mais tarde em conversa como Álvaro ficámos a saber que fomos talvez as únicas duas pessoas a ser totalmente maravilhadas por este concerto :-)
 
Deixo aqui um LINK para um excelente site sobre os Felt e onde podem lêr uma entrevista com o Lawrence e que foi feita pelo Hugo Moutinho e onde o Lawrence fala dos concertos em Portugal e sobre a possivel edição em CD deste concerto. Infelizmente até hoje não se confirmou.
 
Existe uma gravação dos dois concertos em Portugal. A do Porto eu tenho e tive em tempos a de lisboa mas perdeu-se. Se alguém tiver essa gravação por favor que diga algo :-)
 


In Blitz 05-04-1988

Foto do concerto no Rivoli, Porto. In Jornal Se7e 1988
 

1 comentário:

  1. poderia contactar via email e comentarte algo acerca de um libro que estou a escribir? obrigado

    ResponderEliminar